O empreendedorismo é exaltado a cada dia que passa no Brasil e no mundo. Oportunidade é algo que muitas pessoas, principalmente jovens, procuram no atual mercado.

O Sebrae – SP, diante da situação, anunciou o lançamento da Escola Superior de Empreendedorismo (ESE). A primeira faculdade da instituição tem como objetivo desenvolver as competências em uma geração jovem, oferecendo bacharelado em administração de empresas com foco em negócios e empreendedorismo. As inscrições para o vestibular estão abertas até o dia 26 de maio e as provas acontecem nos dias 10 de junho.

Autorizada pelo Ministério da Educação para iniciar as operações em 2018, a instituição abre as portas para a sua primeira turma no segundo semestre deste ano. Serão 50 vagas para o curso de administração com duração de quatro anos – sendo de modo integral nos primeiros dois anos de graduação. A faculdade será sediada na Escola de Negócios do Sebrae-SP, na unidade Alameda Nothmann.

Segundo Juliana Gazzotti Schneider, gerente do Sebrae-SP e responsável pelo projeto, a faculdade foi desenvolvida para fomentar as competências empreendedoras nos estudantes.

 “Queremos que os alunos saiam dali com uma cabeça empreendedora. Não quer dizer necessariamente que eles precisam abrir um negócio, mas com habilidades para isso”, diz.

O vestibular da ESE acontecerá em duas fases: uma prova realizada pela Vunesp e uma segunda fase onde os estudantes serão avaliados por uma banca examinadora. A inscrição custa R$ 100 e o valor do curso será de R$ 1979, com carga horária de 4160 horas.

 “Mais do que as faculdades ‘concorrentes’ normalmente oferecem, porque temos dois anos de integralidade”, afirma Juliana.

Os cursos de MBA, com duração de 600 horas dispostas em 18 meses, custarão R$ 29 mil. Além disso, a ESE também oferecerá cursos de extensão de 100 horas, no valor de R$ 5 mil.

Juliana diz que o ESE é resultado de um longo trabalho de pesquisa.

“Fizemos um mapeamento e vimos que seria estar posicionado no patamar de universidades como a PUC ou Mackenzie. Mesmo assim, acreditamos no diferencial dos dois anos de integralidade.”

Segundo Juliana, a faculdade terá bolsas disponíveis, avaliadas por mérito, renda e “disposição do aluno em estudar”. “No futuro também pretendemos abrir para financiamentos como FIES e Prouni, e adesão pelo Enem.”

 

 

Fonte/Colaboração: Pequenas Empresas e Grandes Negócios