Torna-se cada dia mais comum nos depararmos com crianças, desde bebês, mais gordinhos. De início achamos tão lindos, cheios de saúde, não é assim que falamos? Pois é, mas de acordo com a nutricionista e personal trainer, Daniela Oliveira, a preocupação com as formas que essas crianças vão tomando com o tempo, deveriam existir desde muito cedo.

“A indústria leva muita culpa? Leva, mas quem oferta os alimentos são os pais. Então, aí já entra a questão relacionada aos aparelhos eletrônicos, alimentação frequente através de fast-food, tudo isso é induzido pelos pais”, aponta Daniela.

A tecnologia tem nos proporcionado muitos pontos positivos, mas também é possível ver que através dela, possuímos comodidades que prejudicam a nossa saúde. Conforme a nutricionista cita, os pais são os maiores responsáveis pela obesidade dos filhos. Isso acontece porque após um dia cansativo no trabalho, os pais querem algo prático e rápido no jantar e isso acaba se tornando frequente.

Sendo assim, os costumes saudáveis devem estar presentes na vida das crianças desde as primeiras refeições. Tudo começa ainda quando a criança está na fase de amamentação. A nutricionista explica que tudo que a mãe come reflete, sim, na saúde da criança.

“Muito varia do que a mãe consome, porque a criança que está sendo amamentada também pode ficar acima do peso. O leite materno é composto de alimentos que a mãe consome e isso inclui bebidas alcoólicas, cigarro. Tudo isso compõe o leite materno”, destaca Daniela.

E quando é possível notar problema de obesidade? Segundo a personal e nutricionista, não há uma idade certa em que é possível desenvolver a obesidade. Isso pode acontecer em qualquer idade se não existir os cuidados necessários com a alimentação.

Ao todo, temos que realizar cinco refeições diárias, sendo café da manhã, lanche da manhã, almoço, café da tarde e janta. Mas sabemos que nem todos tem acesso a programação dessas refeições por costume ideológico ou por rotina.

“Aí os pais optam por fritar o alimento, por ser mais prático que um modo de preparo cozido, por exemplo. Acho que a nível de frequência alimentar seria isso, agora em qualidade alimentar, para qualquer pessoa, tem que existir um prato colorido, dividido’, explica a nutricionista.

Obesidade-Infantil-a-prevenção-é-um-papel-dos-pais-2-evidenciador Obesidade Infantil: a prevenção é um papel dos pais

De acordo com Daniela, o prato deve ser divido em 50% de legumes e verduras, outros 50% serão divididos em 25% composto por carboidrato, arroz, macarrão, batatas, mandioca, e os outros 25% ainda são divididos em dois, sendo 12,5% de proteína animal (carnes) e os outros 12,5% composto de proteína vegetal (feijão, lentilha, grão de bico). Desta forma, toda a sua necessidade alimentar estará presente na refeição de forma balanceada e que ao invés de prejudicar sua saúde, proporcionará a energia que seu corpo precisa, saciando a fome de forma saudável.