Começa nesta sexta-feira (21) uma das festas mais aguardadas do país, o carnaval. No entanto, para que o feriado não esteja associado a problemas, os foliões devem tomar alguns cuidados.

Neste ano, a disseminação do coronavírus pelo mundo tem preocupado os foliões. Não há circulação do vírus no Brasil, portanto, não existe restrição ou recomendações especiais para viagens em território nacional. Caso o destino da viagem seja o exterior, além de evitar a China, é preciso verificar junto à embaixada ou sites oficiais do país de destino quais as medidas recomendadas pelas autoridades de saúde locais, como vacinas.

De forma geral, o Ministério da Saúde orienta adotar medidas de precaução padrão:

– Lavar as mãos frequentemente com água e sabão, especialmente antes de ingerir alimentos, após utilizar transportes públicos, visitar locais com grande fluxo de pessoas como mercados, shopping, cinemas, teatros, aeroportos e rodoviárias. Se não tiver acesso a água e sabão, use álcool em gel a 70%;

– Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos e outros utensílios;  

– Evitar tocar mucosas dos olhos, nariz e boca sem que as mãos não estejam higienizadas;         

– Proteger a boca e o nariz com um lenço de papel (descarte logo após o uso) ou com o braço (e não as mãos) ao tossir ou espirrar.

No entanto, se a pessoa viajou para a China, nos últimos 14 dias, e apresentou sintomas como febre, tosse ou dificuldade para respirar, a orientação é procurar atendimento médico imediatamente e informar detalhadamente o histórico de viagem recente, além dos sintomas.

Assédio sexual

“Carnaval não é desculpa, a roupa dela não é desculpa, bebida não é desculpa” para o assédio. Esse é o mote da campanha do governo federal para prevenir o assédio sexual no período de carnaval — “Assédio é Crime. #NãoTemDesculpa”. A ação será realizada até o dia 29 de fevereiro, em resposta ao aumento dos registros de assédio sexual e violência contra a mulher nos dias de festa.

A campanha inclui distribuição de materiais como adesivos, camisetas, apitos e leques em 22 estados, com destaque para as principais praças: São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA), Recife (PE) e Olinda (PE). O material instrui que qualquer pessoa que presenciar ou for vítima de assédio sexual e violência, pode e deve denunciar pelo Ligue 180 – Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência.

Assédio sexual é crime previsto em lei. A pena para importunação sexual pode variar entre 1 e 5 anos, sendo aumentada em caso de agravantes.

Segurança

A saúde, contudo, não deve ser o único cuidado dos foliões. Para evitar furtos de objetos pessoais, como joias e celulares, a recomendação é evitar carregá-los para as festas. Caso seja fundamental, não deixar nada visível e com acesso fácil a terceiros. 

Para reforçar a segurança, esses objetos devem ser guardados nos bolsos da frente ou em algum tipo de compartimento fechado com botões ou zíper. Se quiser levar bolsa, o conselho é manter à frente do corpo, fechada e sempre à vista.

Antes de sair de casa, tenha certeza de que o celular está carregado e o mantenha em local seguro e discreto.

Mesmo que o folião opte por não levar nada para a festa, é necessário ter documento de identidade. O alerta da Polícia Civil é que a identificação é primordial para o caso de feridas ou confusões. 

Bebida e direção

O folião também deve se lembrar de não misturar bebida alcoólica e direção nos dias de Carnaval. Apenas no Distrito Federal, além das ações educativas, estão previstas pelo menos 30 operações entre a sexta-feira (véspera de Carnaval) e a Quarta-feira de cinzas. 

Segundo o Governo do Distrito Federal (GDF), a medida pretende retirar das vias os condutores que insistirem em assumir a direção do veículo após o consumo de bebida alcoólica. 

Telefones 

Além das dicas, a recomendação é ter em mãos telefones úteis dos órgãos de saúde e segurança pública em caso de necessidade, como assédio sexual, agressão, mal súbito ou outras situações de emergência: 

Central de Atendimento à Mulher – 180

Disque Direitos Humanos – 100

Disque Denúncia – 181

Polícia Militar- 190

SAMU – 192

Corpo de Bombeiros – 193

Defesa Civil – 199

Informações: Agência Brasil e Ministério da Saúde