As buscas no Google indicam que a Black Friday 2020 será bem maior do que a do ano passado. Somente entre os dias 26 de agosto e 22 de setembro, 19 das 29 macrocategorias do varejo analisadas pela companhia de buscas já registraram um volume que supera a verificada na Black Friday de 2019. Os dados do Google foram obtidos pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Categorias que foram as campeãs de busca na sexta-feira de ofertas de 2019, como “móveis e decoração”, estão 22% a 51% acima do registrado no ano passado. Setores que historicamente não registravam picos na data, como “alimentos e bebidas”, estão neste ano 40% e 23% acima do verificado no ano anterior.

Conforme a diretora de negócios para o Varejo do Google Brasil, Gleidys Salvanha, ouvida pelo Estadão, o crescimento não se refere a compras antecipadas, o que seria ruim para a promoção. Pelo contrário, os indícios apontam para um resultado histórico. “A data tem acontecido há mais tempo e o consumidor tem ficado mais maduro. Olhando o patamar que as buscas chegaram, não faz sentido cair”, afirma Gleidys.

Segundo a diretora do Google, “essa data será de um consumidor mais cauteloso”, que já está se ocupando em pesquisar por preços baixos com antecedência.

Mas a despeito da crise, o e-commerce conseguiu manter, em certo grau, a demanda pelo consumo de pé, enquanto milhares de lojas físicas fecharam as portas pelo Brasil.

Segundo a Ebit Nielsen, empresa global de medição e análise de dados, as vendas online no país cresceram 47% no primeiro semestre, a maior semestral em duas décadas. A Black Friday deste ano será marcada pela chegada de novos consumidores online que se adaptaram ao modelo durante a pandemia.

Fonte: IstoÉ Dinheiro