Começou a valer no dia 1º de janeiro o novo salário mínimo nacional, que agora é de R$ 1.039. O valor representa um aumento de 4,10% em comparação com os R$ 998 vigentes em 2019.

A maioria dos estados brasileiros segue o valor estabelecido pelo governo federal, que é usado como referência para remunerar 49 milhões de trabalhadores no país, segundo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

Mas alguns estados adotam um piso regional, superior ao valor nacional. Em 2020, cinco estados vão adotar seu próprio salário mínimo: São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Nenhum deles, porém, já definiu qual será novo o valor. 

O salário mínimo regional serve de referência, sobretudo, para os trabalhadores do setor privado que pertencem a categorias não contempladas em acordos coletivos ou convenções, como domésticos.

O cálculo do novo salário, porém, foi feito sobre R$ 999,91 e não sobre R$ 998. A diferença entre os dois valores é uma compensação feita pelo governo porque a inflação de 2018 ficou ligeiramente acima da prevista para aquele ano até a data da definição do salário que vigorou em 2019.

Veja os valores do salário mínimo por estado:

  • Acre: segue o valor do salário mínimo fixado pelo decreto federal.
  • Alagoas: segue o valor do salário mínimo fixado pelo decreto federal.
  • Amapá: segue o valor do salário mínimo fixado pelo decreto federal.
  • Amazonas: segue o valor do salário mínimo fixado pelo decreto federal.
  • Bahia: segue o valor do salário mínimo fixado pelo decreto federal.
  • Ceará: segue o valor do salário mínimo fixado pelo decreto federal.
  • Distrito Federal: segue o valor do salário mínimo fixado pelo decreto federal.
  • Espírito Santo: segue o valor do salário mínimo fixado pelo decreto federal.
  • Goiás: segue o valor do salário mínimo fixado pelo decreto federal.
  • Maranhão: segue o valor do salário mínimo fixado pelo decreto federal.
  • Mato Grosso: segue o valor do salário mínimo fixado pelo decreto federal.
  • Mato Grosso do Sul: segue o valor do salário mínimo fixado pelo decreto federal.
  • Minas Gerais: segue o valor do salário mínimo fixado pelo decreto federal.
  • Pará: segue o valor do salário mínimo fixado pelo decreto federal.
  • Paraíba: segue o valor do salário mínimo fixado pelo decreto federal.
  • Paraná: Piso estadual será definido após 13 de janeiro. Vigora atualmente no estado o valor adotado em 2019, com faixas de rendimento que vão de R$ 1.306,80 a R$ 1.509,20.
  • Pernambuco: segue o valor do salário mínimo fixado pelo decreto federal.
  • Piauí: segue o valor do salário mínimo fixado pelo decreto federal.
  • Rio de Janeiro: não segue o valor do salário mínimo fixado pelo decreto federal. Ainda não foi definido o piso estadual para 2020. Vigora atualmente no estado o piso adotado em 2019, com faixas de rendimento que vão de R$ 1.238,11 até R$ 3.158,96.
  • Rio Grande do Norte: segue o valor do salário mínimo fixado pelo decreto federal.
  • Rio Grande do Sul: não segue o valor do salário mínimo fixado pelo decreto federal. Ainda não foi definido o piso estadual para 2020. Vigora atualmente no estado o piso adotado em 2019, com faixas de rendimento que vão de R$ 1.237,15 a R$ 1.567,81.
  • Rondônia: segue o valor do salário mínimo fixado pelo decreto federal.
  • Roraima: segue o valor do salário mínimo fixado pelo decreto federal.
  • Santa Catarina: Piso estadual será definido até março. Vigora atualmente no estado o valor adotado em 2019, com faixas de rendimento que vão de R$ 1.158 a R$ 1.325.
  • São Paulo: não segue o valor do salário mínimo fixado pelo decreto federal. Ainda não foi definido o piso estadual para 2020. Vigora atualmente no estado o piso adotado em 2019, com faixas de rendimento que vão de R$ 1.163,55 a R$ 1.183,33.
  • Sergipe: segue o valor do salário mínimo fixado pelo decreto federal.
  • Tocantins: segue o valor do salário mínimo fixado pelo decreto federal.

Fonte: G1